Regresso de férias

Depois de uma semana a mergulhar nas águas cálidas do Algarve, com boas capturas e emoções fortes. Trago-vos um cherinho de verão repleto de frescura e sabores vibrantes! Numa das poucas noites em que me deu para cozinhar, fizemos um jantar de peixe fazendo jus ao termo caçador-recolector 😛 ( estes não foram capturados por mim, mas sim por outro companheiro de pesca submarina). Sou um fervoroso adepto da cozinha de fusão, e já antes aqui deixei uma sugestão de ceviche. Desta feita fiz Ceviche de Pampo (também conhecido como peixe-porco), para o qual vamos precisar de :

– 6 filetes de pampo (peçam já em filetes na peixaria, caso contrário vão ver-se a braços com o peixe mais chato de arranjar que há, pois tem uma pele coreácea muito dificil de tirar);

– 3 limas;

– Sal a gosto;

– Tempero de gengibre e citrinos ( há umas misturas da Margão que se chamam Cook Art, esta de gengibre e citrinos é muito boa);

– Cebolinho fresco;

– Coentros frescos;

– 1 malagueta grande fresca;

– Azeite extra-virgem;

Começamos por cortar os filetes às lascas finas e dispô-las num pirex ou recipiente largo para que não se sobreponham demasiado. Depois temperamos com sal e a mistura de gengibre e citrinos; juntamos o sumo das 3 limas e picamos o cebolinho, os coentros e a malagueta; rega-se com um pouco de azeite extra-virgem ( é importante usar este tipo de azeite para temperar em cru porque tem um grau de acidez menor) e mistura-se tudo. Leva-se ao frio cerca de meia hora e pode servir-se com croutons de alho. Acompanhem com um Casa de Santar Reserva – Branco 2009, um vinho tranquilo, com 9 meses de estágio em cascos de carvalho francês, e para apreciar no remanso da noite.
Fiquem bem e bons cozinhados!

Hoje apetece-me…

…um pôr do sol em Sagres, sentado na açoteia com a brisa do Cabo S. Vicente a bater-me no rosto…ao som de Bajofondo – Zitarrosa, e um mojito gelado. Não sei quanto a vocês, mas eu já começo a ficar farto deste Inverno cinzentão…só chuva e frio…apetece-me um tango dançado no bafo do estio (como uma vez tão bem escreveu o Carlos Tê). Para dar um cheirinho a Verão hoje vou falar-vos de ceviche, que é uma das maravilhas da comida sul-americana. Na Bolívia e no Peru é comum cozinhar carne e peixe sem recurso à confecção no fogo, para esse efeito utiliza-se o sumo de citrinos para marinar os ingredientes. Esse sumo literalmente coze os tecidos da carne ou do peixe, dando-lhe uma textura mais rija e agradável .
Hoje vamos fazer ceviche com robalo,uma receita que apanhei numa revista do Jamie Oliver há uns tempos, e fiz uma adaptação. Sendo que se pode utilizar praticamente qualquer tipo de peixe para fazer este prato, mas acho que o robalo tem aquele “sabor a mar” que nos transporta para os calores do Verão.
Vamos precisar de:

– Filetes de robalo ( na peixaria peçam um robalo pequeno e peçam para fazer em filetes);

– 1 toranja;

– 1 lima;

– Sal;

– Pimenta;

– Aneto;

– Malaguetas frescas;

– Alho;

-Azeite;

Começamos por cortar os filetes em tiras como se de um strogonoff se tratasse, depois temperamos com sal, sumo de 1 lima e sumo de metade da toranja. Picamos 1 ou 2 dentes de alho, um pouco de pimenta e misturamos tudo com peixe, espalhamos o aneto por cima e picamos 1 ou 2 malaguetas para dar um pouco de cor. Finalmente cortamos a outra metade da toranja aos bocados, juntamos um fio de azeite e misturamos tudo com as mãos! Não tenham problemas em mexer na comida com as mãos, verão que é uma sensação profundamente libertadora 🙂 Levem ao frio durante 2 horas e sirvam assim mesmo ou com umas tostas, acompanhem com um mojito a estalar de gelo! Deixo-vos com a música indicada….divirtam-se!